Portugal em resumo

 

portugal_map.jpg

 

Pequena apresentação deste país do qual vou falar…

 

Presidente da República: Marcelo Rebelo de Sousa

Hino nacional: A portuguesa

Área: 92.201 km²

População: 10 341 330 habitantes (2016)

Densidade: 111,13 habitantes por km2

Capital: Lisboa

Principais cidades: Lisboa, Porto

Língua Oficial: Português

Países de língua portuguesa (lusófonos, excluindo Portugal): Brasil, Moçambique, Angola, Guiné-Bissau, Timor-Leste, Guiné Equatorial, Macau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe

Arquipélago português (ilhas principais): Açores, Madeira, Berlengas

Moeda: Euro

Feriado nacional: 10 de Junho

Religião: A maioria da população é católica, mas Portugal é um estado secular de acordo com a Constituição de 1976

 

A Lusitânia, como foi chamada na época, foi invadida várias vezes, passando assim nas mãos de vários povos. Aqueles que deixaram uma marca mais profunda são os romanos que impuseram seu governo em 140 aC até o século V e os mouros em 712. Portugal foi reconhecido como um reino independente em 1143 sob o reinado do rei Alfonso I. Seu irmão, Alfonso III, pegou o Algarve dos mouros em 1249 e, em 1255, transferiu a capital de Coimbra para Lisboa.

Os franceses vindos das cruzadas também deixaram sua marca na cultura e na arquitectura portuguesa. As diferentes culturas se misturaram e isso provocou um contraste bastante grande ainda presente entre o norte e o sul de Portugal.

Durante o século XV e XVI, navegadores portugueses embarcaram para expedições na África, Américas e Índia, onde Vasco de Gama abriu uma nova rota marítima para os impérios do Oriente. O Império português se expandiu então em todo o mundo, estabelecendo colónias em Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné, Brasil, Goa, Macau e Timor-Leste. Graças a estas viagens, Portugal estabeleceu-se nos níveis económico, político e cultural e tornou-se assim um dos países mais ricos do mundo e um dos reinos mais influentes da Europa.

Ao mesmo tempo, em 1492, os judeus foram expulsos da Espanha pelo decreto de Alhambra. Muitos se refugiarão em Portugal, mas foram expulsos novamente em 1496. Em Outubro de 1497, o rei Manuel transformou a expulsão em uma conversão forçada. Mas foi apenas em 1540 que a Inquisição organizou o primeiro auto-da-fé.

Portugal foi anexado a Espanha em 1580 por Felipe II de Espanha e tornou-se rei.

A Restauração da Independência de Portugal ocorre em 1640, após 60 anos de ocupação espanhola.

Em 1 de Novembro de 1755, Lisboa conheceu um grande terremoto seguido de incêndios que destruíram uma grande parte da cidade. O Algarve, no sul do país, também foi afectado.

A monarquia até então estabelecida foi derrubada pelo exército e Portugal foi declarado república em 5 de Outubro de 1910. António de Oliveira Salazar, que se tornou um ditador fascista, tomou o poder e, portanto, controlou a mídia, eleições e liberdades da população.

Em 25 de Abril de 1974, o regime foi derrubado por um golpe pacífico liderado por grupos da esquerda, conhecido como a Revolução dos Cravos. O 25 de Abril é hoje um feriado comemorado em homenagem à liberdade.

Portugal é actualmente um membro fundador da NATO e, desde 1986, membro da UE. O país evoluiu muito e hoje tem uma democracia estável e uma vida cultural vibrante. O Porto, por exemplo, foi declarado Capital Europeia da Cultura em 2001.

 

Economia

O país se juntou à União Europeia em 1986 e Portugal é um dos onze estados fundadores da UE do euro, em 1999. O país faz assim desaparecer a antiga moeda nacional, o escudo (1€ = 200.482 PTE).

PIB (2016): 184.931 bilhões de euros

PIB per capita (2016): 17.900 euros

Exportações da França para Portugal: 6010,2 bilhões de euros

Importações francesas de Portugal: 10.116,8 bilhões de euros

Principais clientes (2017): Espanha (25,8%), França (12,7%), Alemanha (11,2%), Reino-Unido (6,6%)

Principais fornecedores (2017): Espanha (38%), Alemanha (12,9%), França (7,4%), Italia (5,5%)

Participação dos principais setores de atividade no PIB (2017):

Agricultura: 2,4%

Indústria: 21,9%

Serviços: 75,8%

Comunidade francesa em Portugal (2016): cerca de 30 000 pessoas

Comunidade Portuguesa na França: cerca de 1 720 000 pessoas

De acordo com uma pesquisa recente, Portugal aumentou significativamente o seu crescimento após uma grave crise econômica. O país parece aumentar e isso graças ao turismo.

 

Clima

O clima de Portugal é mediterrânico, caracterizado principalmente por verões quentes e secos e invernos suaves. No inverno, os meses mais frios são Janeiro e Fevereiro, mas as temperaturas permanecem suaves (exceto nas montanhas). No verão, os meses mais quentes e mais secos são Julho e Agosto. Com temperaturas médias superiores a 20°C em quase todos os lugares em Julho e atingindo picos de mais de 45 °C em algumas áreas.

No norte de Portugal, a neve pode aparecer devido à altitude de alguns lugares.

Nas ilhas, como os Açores e a Madeira, o clima é, respectivamente, oceânico e subtropical.

 

Cultura

Música

O fado é certamente o género musical português mais conhecido, em particular com Amália Rodrigues. O cantor de fado (fadista) escolhe geralmente um tema melancólico acompanhado de instrumentos à cordas dedilhadas. A saudade cantada através do fado representa a nostalgia. Esta canção foi cantada primeiro nos distritos populares antes de chegar à burguesia. Casas e restaurantes do Fado oferecem com frequência jantares acompanhados de fado.

Literatura

Além da música, Portugal é o país dos poetas por excelência. Na época do Renascimento, Luís de Camões conseguiu destacar-se com a publicação de Os Lusíadas (1572), na qual relata os Grandes Descobrimentos dos portugueses. No século XX, é o poeta Fernando Pessoa que é destacado e ele se tornará o poeta português mais traduzido.

Festas portugueses

Portugal também é conhecido por seu lado festivo, especialmente durante o verão como o Nos Alive, Meo Sudoeste, Rock in Rio Lisboa, Super Bock Super Rock… Há festivais por todo lado, mas são especialmente festas tradicionais que estão em destaque. Essas celebrações, que prestam homenagem à figuras ou santos bíblicos, são hoje em dia um pretexto para se divertir por alguns dias.* Em Lisboa, as celebrações dos Santos Populares acontecem no dia 13 de Junho e no Porto, no 24 de Junho. Encontrará sardinhas grelhadas em cada canto da rua, música e danças tradicionais (o rancho), procissões, fogos de artifício e, especialmente, muito para beber durante uns dias !

*Recomendo as festas em Agosto em Trás-Os-Montes como em Pegarinhos, uma aldeia muito famosa por suas festas grandiosas.

 

Gastronomia

Como em muitos países, cada região de Portugal oferece diferentes pratos típicos. Os portugueses gostam de carne (porco, carneiro e aves), mas também comem muito peixe e mariscos. O peixe mais cozido é certamente o bacalhau do qual existem muitas variantes. Também se come muitas frutas e vegetais e o queijo é muito apreciado. O azeite é um ingrediente chave na culinária portuguesa.

Entre as receitas mais populares: bacalhau com natas, bacalhau à bras, carne de porco com alentejana, arroz de pato, alheira de Mirandela, francesinha, cozido à portuguesa, polvo à lagareiro…

Nas pastelarias há uma lista de variedades de receitas tradicionais, sendo o mais famoso entre outros os pastéis de nata (os melhores são de Belém), os ovos moles de Aveiro, os pastéis de Tentúgal, o pão-de-ló…

Quanto as bebidas, os portugueses bebem muita cerveja e vinho por o país produzir muito. Os mais famosos são os vinhos do Douro, do Alentejo e do Dão, os vinhos verdes do Minho e os vinhos doces do Porto, Lourinhã e Madeira.

 

Arquitectura

As principais correntes difundidas em Portugal são:

Arte românica, que surgiu no século XII, especialmente no norte e no centro do país. Encontramos este estilo em mosteiros, igrejas (Sé de Coimbra), pontes, castelos…

Arte gótica, transição para a arte românica no final do século XIII, representada principalmente pelos mosteiros de Alcobaça e Batalha, cuja construção é inspirada na arquitetura francesa.

O estilo manuelino, sob o reinado do rei Manuel I de Portugal no século XV, inspirado nas viagens marítimas e representa a riqueza cultural do país. No século XIX, muitos edifícios são construídos em estilo manuelino (Torre de Belém entre outros).

A arte barroca, após o Renascimento e durante o século XVIII, reflete-se na madeira dourada que cobre o interior das igrejas e dos palácios. É “a idade de ouro” graças à exploração das minas de ouro e diamante do Brasil.

O estilo pombalino, em referência a Sebastião José de Carvalho e Melo, Marquês de Pombal, que assumiu a reconstrução de Lisboa após o terremoto de 1755. Pombal supervisiona e renova a cidade (especialmente o centro de Lisboa, a Baixa ) de acordo com um projecto de urbanismo de emergência inspirado no estilo neoclássico, caracterizado por uma pavimentação de ruas padronizadas e edifícios resistentes a terremotos.

Azulejos, emblemas de Portugal, são mosaicos de faiança que decoram as fachadas, tectos, pavimentos e até mesmo os interiores dos edifícios do país. São encontrados em todos os lugares, palácios, casas, estações de metro…uma parte integrante da arquitectura portuguesa. Trazido pelos mouros no século XIII, o nome vem do árabe “al zulaicha”, que significa “pedra pequena polida”. Os primeiros azulejos feitos em Portugal datam de 1584 e são em policromas. Após o terremoto de 1755, a restauração de edifícios danificados também é feita com azulejos.

Arte contemporânea, com a Ponte Vasco-da-Gama ou o Pavilhão de Portugal na Exposição Mundial de 1998 em Lisboa. A Fundação de Serralves no Porto ou recentemente o Museu de Arte Contemporânea (MAAT) em Belém. Ao contrário do que se poderia pensar, Portugal não permanece congelado em suas tradições, mas também evolui com o tempo e sabe como misturar antigo e moderno. Assim, embora muitos bairros de Lisboa reflitam as origens do país, também há bairros mais modernos que mostram essa ambivalência como o Parque das Nações.

 

Saiba também:

Portugal é o lar de vários sítios do Património Mundial, tais como monumentos, centros históricos de cidade, paisagens e património intangível. Encontre a lista clicando no link do site da Unesco.

Fontes: Wikipedia, portugalvivo.co, diplomatie.gouv.fr

Advertisements